Rita. Contadora de histórias. Romântica incurável. Apaixonada pela vida.

ABOUT ME

Nascida e criada em Lisboa. 

Adoro animais, todos. Mas tenho um carinho especial por gatos. 

Desde cedo que comecei a fotografar. Lembro-me de ser pequena e adorar sentar-me no chão velho da sala a ver fotografias antigas. Fotografias de pessoas que nunca conheci, e doutras que nunca tinha visto desta forma. Ver a minha mãe no vestido azul que já não lhe serve, o dia em que a minha irmã comeu a primeira papa e as reuniões dos meus avós com os amigos. O poder de me conseguir transportar para certos momentos a partir de pequenas imagens. Aos 12 anos os meus pais ofereceram-me uma máquina fotográfica. Comecei a fotografar todos aqueles que me rodeavam. Os meus amigos, os meus animais, a minha família. Aprendi muito sozinha mas eventualmente fui estudar Photography HND in Art and Design na ETIC.

Adoro escrever. Prosa, poesia, contos e histórias.

Um dia, uma nova janela abriu-se para mim e vi tudo aquilo que estava a perder. Os casamentos, as histórias de amor. De repente, estava no meu elemento. É o que gosto! Sou uma rapariga discreta e nunca gostei de ser o centro das atenções. De repente dei por mim a fotografar algo que me fazia feliz. O momento para celebrar o amor, e poder registá-lo da melhor forma que sei. Fotografar as histórias dos outros, é dar a oportunidade a tantos outros de no futuro se sentarem no chão das suas salas a recordarem histórias. 
Histórias que eu escrevi.

 

Sou uma piegas, sou a fotógrafa que vive o casamento com uma intensidade brutal. Gosto de estar presente, de conhecer as famílias e de criar laços que poderão durar uma vida inteira. Gosto de manter amizade com as pessoas que se cruzam no meu caminho. Gosto de fazer parte da história delas, porque elas já fazem parte da minha. Não consigo deixar de verter uma lágrima quando a noiva chega à cerimónia. E por mais que tente, sinto sempre estas pessoas como um bocadinho minhas. 

Adoro famílias, adoro casais, adoro sorrisos, adoro emoções sinceras. Adoro a simplicidade. Adoro registar sem qualquer alteração, num ponto de vista fotojornalístico. As lágrimas, os risos histéricos, todas as memórias que ficam quando o momento já passou. As minhas fotografias são autênticas. Trago ao de cima o meu lado mais voyeur.  

 

Sinto que tenho crescido muito profissionalmente mas, ao mesmo tempo, ainda há tantas histórias que quero contar e tantos sorrisos para fotografar. 
E num mundo em que tudo é efémero e nada é perfeito, eu quero fazer estes momentos durarem para sempre. O vestido azul, a primeira papa, as reuniões dos amigos. O amor. A amizade. A felicidade.
Todos aqueles momentos que podiam ser esquecidos, eu quero registá-los, quero guardá-los. Eu quero contar essa história, porque é única.